• Maria Luiza Cardinale Baptista

Que Sorte Eu Tive...



Que sorte eu tive, por ver o orvalho,

ou seriam gotículas de chuva?!

Sorte por perceber a paz dos sulcos

e a regularidade das nervuras das folhas.

Sorte por sentir a sensação de aconchego

no amontoado das almas-folhas que se buscam...

Sorte também pelo conforto de estarmos juntos,

ali, aqui, em cada canto, cada um do seu jeito, no seu tempo,

sempre em busca de modos de existir.


Que sorte eu tive, pelo conforto

dos abraços que sinto ainda, que ainda tenho,

porque abraços de verdade não são ‘corpo’ apenas.

Abraços são existências que se juntam,

em entrelaços intensos – no limite do corpo,

de ser à flor da pele, em energias que se fundem.


Que sorte eu tenho por saber que, nesse grande canteiro

de brot(ações) compartilhadas,

temos ainda a proteção da Flor(esta) ao fundo,

como substrato de força, como matriz de vida!

Que sorte é essa, nestes tempos, poder

poetizar o orvalho, o verde-esperança,

que surge quando (ainda) estamos juntos

- mesmo que não necessariamente perto!


Maria Luiza Cardinale Baptista

(Foto: João Romanini)

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo